“Melhoria e redução de custo com gerenciamento de resíduos orgânicos”

“Melhoria e redução de custo com gerenciamento de resíduos orgânicos”

Escrito em 08/06/2020
Revista Minérios


Com objetivo de melhoria contínua, alinhado a estratégia da empresa em direção à sua ambição de ser mais sustentável, a Mineração Paragominas, mina de bauxita do Grupo Hydro, iniciou em 2015 a busca por alternativas para substituir o processo de incineração utilizada como destinação final dos resíduos de alimentação da cadeia de produção de alimentos dos refeitórios.

 

Associado a este processo de buscar novas alternativas para destinação final dos resíduos de alimentação, também foi implantado em 2015, em duas etapas, um plano de gerenciamento dos resíduos orgânicos nos refeitórios, que consistiu em identificar, quantificar, setorizar e qualificar os resíduos orgânicos gerados.

 

A primeira etapa do plano, iniciada no primeiro semestre de 2015, incluiu ações de aproveitamento de cascas de frutas e legumes e treinamentos específicos para os funcionários envolvidos na produção / segregação, controles no recebimento dos insumos e campanhas de sensibilização dos usuários quanto ao desperdício de alimentos. Os resultados observados durante a primeira etapa do plano de gerenciamento em comparação ao mesmo período de 2014 foram redução de 38% no envio de resíduos orgânicos para incineração e redução de 23% na geração de resíduos orgânicos na fonte.

 

A segunda etapa do plano de gerenciamento de resíduos, ocorreu a partir de agosto de 2015, que consistiu no aporte de novas tecnologias de processamento de resíduos orgânicos, através da compostagem, com a aquisição de oito máquinas recicladoras de resíduos orgânicos, com capacidade para transformar até 800 kg de resíduo orgânico em composto por dia.

 

De 2015 a 2019, os resultados obtidos com a reciclagem dos resíduos orgânicos tiveram como resultados: um custo evitado de R$ 541.102,00 (2015 a 2019) com a incineração, houve também ganhos ambientais como a redução das emissões de gases efeito estufa, a utilização de todo o composto gerado pelas máquinas recicladoras de resíduo orgânico no processo de reflorestamento das áreas degradadas, decorrentes da mineração de bauxita.

 

Observa-se que em relação ao ano de 2014, houve uma redução média de 63% na geração de resíduo incinerados na planta, que se deu principalmente pela reciclagem de resíduos orgânicos dentro das instalações da Mineração Paragominas.

 

Assim, pode-se concluir que através da implantação do plano de gerenciamento dos resíduos orgânicos, aliado ao uso de novas tecnologias, que obteve ganhos ambientais e econômicos, a cadeia produtiva de alimentos tornou-se mais sustentável e economicamente viável na Mineração Paragominas.

 

Redução de desperdício

 

A inclusão de aspecto de sustentabilidade na prática das empresas tem evoluído. Na Mineração Paragominas ele é utilizado como parte da estratégia da empresa em direção à sua ambição de ser melhor, maior e mais verde, implantando os conceitos e as ferramentas do gerenciamento integrado, desde o preparo dos alimentos até a destinação final dos resíduos orgânicos, compartilhando melhores práticas e tendo como base os valores da Hydro, acionista da Mineração Paragominas, que são cuidados, coragem e colaboração.

 

Nesse sentido, esse trabalho apresenta o resultado da redução de custo com a destinação final dos resíduos de alimentação que atualmente são transformados em composto orgânicos utilizados no processo de recuperação de área degradadas, bem como a redução nos desperdícios na cadeia produtiva de alimentos, através da identificação, quantificação, setorização, e a qualificação dos resíduos orgânicos gerados em uma unidade de alimentação coletiva.

 

Estudos dessa natureza, possibilitam a tomada de decisão de setores similares a repensar no desperdício e na busca por novas alternativas de destinação final dos resíduos gerados nos processos produtivos estimulando a busca pela melhoria contínua.

 

O levantamento de dados foi realizado nas unidades de alimentação e nutrição da empresa Mineração Paragominas, sendo eles duas unidades de produção e uma unidade de distribuição de alimentos. Foi elaborado um plano de gerenciamento integrado de resíduos orgânicos, que englobou etapas que vão desde o planejamento de cardápios até o controle das sobras dos alimentos.

 

O presente trabalho possibilitou buscar alternativa de reciclagem dos resíduos orgânicos, coerente com a aspiração da Mineração Paragominas em ser mais verde, e ainda possibilitou uma redução de custo de aproximadamente meio milhão de reais, sendo o produto dessa melhoria um composto orgânico aproveitado na recuperação de área degradada e controle de erosões do solo.

 

O trabalho possibilitou um gerenciamento integrado em toda a cadeia de produção de alimentos, reduzindo o desperdício de alimentos a geração de resíduos na fonte estando em consonância com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, através da utilização dos controles e da implementação dos princípios do sistema de gestão bauxita e alumínio – BABS, tornando a cadeia produtiva de alimentos mais sustentável.

 

Do ponto de vista econômico, o plano e os controles nele contidos, permitem que os custos com o preparo de alimentos e a destinação final dos resíduos sejam reduzidos significativamente, pois permite através de um planejamento de refeição eficaz e sistêmico, gerenciar evitando-se o desperdício em todas as etapas de produção das refeições até a correta destinação dos resíduos gerados nesse processo, fechando-se assim um ciclo sustentável.

 

O trabalho contribuiu de maneira positiva, para um ganho não mensurável que é o desenvolvimento de um pensamento sustentável dentro de uma cadeia de alimentos, possibilitando a todos os envolvidos, incluindo os clientes dos refeitórios que são empregados próprios e terceiros, a promoção de atitudes mais conscientes em relação ao meio ambiente, pois evita-se o desperdício de recursos ambientais e financeiros, ao incorporar no resíduo através da reciclagem a capacidade de fornecer nutrientes para o solo na recuperação de áreas mineradas, e ao gerar a economia com custos evitados na incineração. Além disso, esse plano contribui na reabilitação de áreas mineradas na Amazônia.

 

 

AUTORES



Denys Fabricio Furtado de Sousa, analista administrativo pleno



; Gizelia Ferreira Matos, gerente ambiental; 



Jonilton Pantoja Paschoal, analista de meio ambiente máster



Maria Alciene Pereira dos Santos, analista de meio ambiente sênior



Karla Costa Barbosa, analista administrativo pleno



Marcos Fernando Raposo de Carvalho, analista administrativo



Vicente Santos de Sousa, analista de meio ambiente; 



Edcarlos Martins, gerente de infraestrutura



Emerson Oliveira Santos, supervisor de serviços de facilities



Erlan Leal, supervisor de serviços infraestrutura