Nova planta da Aurizona atinge produção comercial em 4 meses

Nova planta da Aurizona atinge produção comercial em 4 meses

Escrito em 27/04/2020
Revista Minérios


Localizada no município de Godofredo Viana (MA), a Mineração Aurizona S.A (MASA), que estava com suas operações suspensas desde 2015, teve seu controle acionário assumido pelo grupo canadense Equinox Gold e, em outubro de 2017, iniciou a reconstrução do seu complexo minero-industrial em um investimento de cerca de R$ 600 milhões.

Foram sete meses desde a entrega dos primeiros equipamentos de britagem pela gestora da construção para comissionamento até o início da produção comercial. Os três primeiros meses foram de entrega e comissionamento operacional de todos os equipamentos da planta e os quatro últimos o período de ramp-up, até atingir os valores operacionais nominais de operação.

Atualmente a planta de beneficiamento processa 9500 t/dia de minério em uma planta composta pelos circuitos de britagem, moagem, classificação, gravimetria, espessamento, lixiviação, CIP, eluição, lixiviação intensiva, eletrorrecuperação e fundição.

A expectativa de produção MASA para 2019 é de 75.000 a 90.000 Oz de ouro.

Processo

O ROM blendado na Aurizona é alimentado por caminhão articulado ou CAT 777D na moega de alimentação do britador de mandíbulas. Correias transportadoras movimentam o produto britado para o surge bin que, por sua vez, direciona o material para a etapa de moagem ou para a pilha pulmão em função da produtividade das etapas posteriores.

A moagem é composta por um moinho semi-autógeno (SAG) que pode operar em circuito fechado (SAG) ou circuito aberto com o moinho de bolas (SABC). O produto da moagem é classificado por uma bateria de até seis hidrociclones, onde o overflow segue para a etapa de espessamento - parte do underflow retorna para a moagem e parte é peneirado e processado em concentrador centrífugo para posterior lixiviação intensiva.

A etapa de espessamento composta por um espessador de alta performance garante a densidade de polpa ideal para a etapa de lixiviação, que é composta por três tanques de 4 mil m³, onde é adicionado cal e cianeto de sódio à polpa de minério para reação de cianetação.

O produto lixiviado segue para duas baterias paralelas totalizando oito tanques CIP contendo carvão ativado, que irá adsorver todo o ouro solubilizado na etapa anterior. O carvão rico então segue para a dessorção em processo conhecido como AARL Carbon Stripping e o rejeito de polpa vai para a etapa de Detox, onde será neutralizado o cianeto residual para descarte em barragem de rejeitos.

A solução rica, produto da dessorção, passa pela etapa de eletrodeposição onde o ouro será depositado em cátodos de aço inox para posterior lavagem e fundição.

Pessoas

No segundo semestre de 2018, a MASA apresentava seu quadro estratégico de funcionários onde a gerência de beneficiamento da planta é composta por 1 gerente de planta, 1 coordenador de operações, 1 coordenador de processo, 2 engenheiros de processo e 5 supervisores de planta.

Esta equipe foi responsável pela elaboração e execução de uma lista de atividade de prontidão operacional que englobava todos os principais itens, para garantir que se dispusesse de todas as ferramentas necessárias para iniciar a operação de forma segura e eficiente.

Quanto ao item segurança ocupacional, é de suma importância e orgulho para a empresa afirmar que todo o período de construção e ramp-up da planta foi conduzido sem nenhum acidente com afastamento, onde atingiu-se a marca de 2.500 horas sem acidentes com afastamento no dia 03 de outubro de 2019.

Quanto à prontidão operacional, esta englobava todas as áreas da MASA e os principais itens operacionais foram elaboração dos procedimentos; treinamento dos recursos humanos; e definição de parâmetros e controles operacionais.

Para as etapas de elaboração dos procedimentos e treinamento dos recursos humanos, foi contratada força tarefa terceirizada enquanto a equipe técnica se dedicava nos parâmetros e controles operacionais bem como identificar falhas, ajustes e propor melhorias enquanto a planta ainda estava em fase de construção.

Os operadores foram todos contratados em novembro e dezembro de 2018. Foram elaborados 83 procedimentos envolvendo todas as principais atividades operacionais para garantir que todos os operadores contratados já iniciassem suas atividades laborais conscientes da forma correta de execução, bem como dos principais riscos associados.

Os treinamentos foram conduzidos em janeiro fevereiro de 2019 englobando além dos operacionais, todos os treinamentos de segurança como NR-22, NR-35, NR-33 etc.

As primeiras áreas a serem liberadas para operação foram a britagem e o surge bin em fevereiro de 2019. O pátio de ROM contemplou cerca de 750 mil toneladas de minério que foram lavradas ainda durante o período de construção, o que possibilitou o início de operação da britagem e produção de estoque de material britado, que pôde garantir a alimentação constante durante os primeiros dias de operação da moagem.

Como a moagem foi liberada para a operação três meses depois do início de operação da britagem, foi possível realizar todos os ajustes e melhorias necessárias para que fosse atingida já neste período a produtividade nominal-- para garantir alimentação constante durante o ramp-up das etapas posteriores.

Em abril a moagem SAG (em circuito fechado), junto com as etapas de lixiviação e CIP, foram liberadas para operação. Devido à boa definição dos parâmetros operacionais e do apoio de consultoria externa, conseguiu-se rapidamente uma operação estável e boa granulometria, ainda que com produtividade baixa.

À medida em que era gerado overflow na ciclonagem o circuito de espessamento, lixiviação e CIP foram sendo preenchidos com polpa de minério. Como o circuito de detox ainda não tinha sido liberado para operação, a alimentação da moagem foi cortada assim que o último tanque CIP ficou preenchido com polpa. Foram alguns dias até a liberação do detox que foram valiosos para ajustes necessários na planta.

Estes ajustes garantiram que na retomada da moagem o rejeito no detox fosse baixo, garantindo nesta fase uma recuperação metalúrgica de 90%.

Durante os meses de maio, junho e julho o aumento da produtividade foi gradativo, permitindo a atuação da equipe de manutenção de forma mais eficaz, o que garantiu disponibilidades próximas ao orçamento de 92,33%.

Em agosto, já com a operação em sua produtividade nominal, foi instalado o moinho de bolas. Permitiu a estabilização do circuito de cominuição quando se alimenta minérios com Wi elevados.

Para contribuir com o sucesso operacional no ramp-up, a mineração Aurizona contou com o apoio da equipe de manutenção, que meses antes já trabalhava no levantamento dos riscos e nas estratégias de manutenção a serem adotadas. O trabalho preventivo teve como objetivo reduzir ao máximo qualquer possibilidade de paradas que viessem a impactar diretamente no sucesso das operações.



Samuel Trindade Viana



Bernard Frankó



Euclides de Paiva Mesquita



José Ivanildo Lima



Gersom Peixoto Barbosa



Geraldo Donizetti Furquim de Oliveira



Gaspar Rodrigues Moreira Júnior



Charles Gonçales Rios